Veronica Stigger - Opisanie świata

Literatura contemporânea brasileira
Veronica Stigger - Opisanie świata - Editora Cosac Naify - 160 páginas - lançamento agosto 2013.

Em 2014 Veronica Stigger ganhou o prêmio São Paulo de Literatura e foi finalista do Portugal Telecom e Jabuti com este seu romance de estreia e título difícil ("descrição do mundo" em polonês). A autora utiliza diferentes estilos narrativos em primeira e terceira pessoa, linguagem fragmentada por anúncios de época e imagens de cartões postais, tudo isso em uma bem cuidada edição gráfica, como já é tradição nos livros da editora Cosac Naify. É bom ressaltar que o trabalho de Veronica não é somente criativo na técnica, mas também na pesquisa do argumento e na criação ou apropriação dos personagens, todos "estrangeiros", mesmo o brasileiro Bopp, inspirado no poeta Raul Bopp, emprestado do nosso movimento modernista, personagens sempre envolvidos em algum tipo de deslocamento ou deslocados do meio em que vivem. 

O romance tem como base a história de uma longa viagem, de trem e navio no final da década de trinta, da Polônia até a Amazônia. Opalka, é um polonês surpreendido por uma carta de Natanael, seu filho "internado em estado grave" que ele não sabia existir no Brasil e que pede para conhecê-lo. Ele decide atender ao pedido do filho e voltar à terra que havia abandonado na virada do século. Opalka conhece Bopp no início de sua epopéia e o mesmo irá acompanhá-lo em toda a trajetória. Na verdade, o argumento principal do romance é a própria viagem e todos os estranhos personagens em situações surrealistas que vamos conhecendo pelo caminho (uma espécie de "road movie") e não a relação entre Opalka e Natanael.

A Europa está prestes a ser destruída pela segunda Grande Guerra e a viagem de Opalka parece ser um caminho sem volta, mesmo que a Amazônia, já na década de trinta, também em vias de destruição, não represente mais a esperança de uma nova terra para os expatriados da Europa. Assim mesmo, Opalka é incentivado por Bopp, já no final do livro, a escrever suas experiências durante a viagem e o que encontrou no Brasil em um caderno de anotações que lhe dá de presente, um trecho bonito que resume tão bem o papel transformador da literatura em nossas vidas:
“— Tome — disse Bopp, estendendo-lhe um caderninho preto. — É um presente. Serve para fazer anotações. Para que o senhor escreva o que passou. Ajuda a superar. E a não esquecer. A gente escreve para não esquecer. Ou para fingir que não esqueceu. Bopp se calou e, depois de um tempo, acrescentou: — Ou para inventar o que esqueceu. Talvez a gente só escreva sobre o que nunca existiu.”
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Monólogo de Molly Bloom em Ulysses, "sim eu disse sim eu quero Sim"

20 personagens femininas da literatura mundial

20 problemas que somente os apaixonados por livros podem entender

Ian McEwan - Enclausurado

As 20 melhores distopias da literatura

Amós Oz e David Grossman avançam para a shortlist do Man Booker International Prize 2017