80 anos de poesia - Mario Quintana

Mario Quintana (1906 - 1994) é o poeta que fala as coisas complexas de maneira tão simples que entendemos porque ele nasceu em corpo de homem, mas era simplesmente um passarinho.

Quintana. Mario Quintana, até o nome é pura poesia.

Que fazer, a não ser seguir o conselho do próprio: "Agora, que poetas deves ler? Simplesmente os poetas de que gostares e eles assim te ajudarão a compreender-te, em vez de tu a eles. São os únicos que te convêm, pois cada um só gosta de quem se parece consigo. Já escrevi, e repito: o que chamam de influência poética é apenas confluência (Carta - Caderno H - 1973)".

Esta coletânea comemorativa dos oitenta anos do poeta e organizada por Tânia Carvalhal, foi lançada pela Editora Globo em 1986. Escolhi alguns exemplos com os quais a confluência é imediata.

"As únicas coisas eternas são as nuvens..." (Epígrafe - Sapato florido - 1948)

"Amar é mudar a alma de casa." (Carreto - Sapato florido - 1948)

"Os verdadeiros analfabetos são os que aprenderam a ler e não lêem." (Cartaz - Caderno H -1973)

"Por favor, deixa o Outro Mundo em paz! O mistério está aqui." (O Outro Mundo - Caderno H - 1973)

"(...) A morte sempre chega pontualmente na hora incerta..." (Poema da Gare de Astapovo - Apontamentos de História Sobrenatural - 1976)

"Todos esses que aí estão / Atravancando meu caminho, / Eles passarão... / Eu passarinho!" (Poeminha do Contra - Prosa e Verso - 1978)

"A morte é a libertação total: a morte é quando a gente pode, afinal, estar deitado de sapatos."

8 comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

20 frases que mostram como o xadrez não é um jogo

As 20 melhores distopias da literatura

As 20 capas de discos que marcaram época

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

Exposição World Press Photo 2017 no Rio de Janeiro

Sheyla Smanioto - Desesterro