Salman Rushdie - Os filhos da meia-noite

Literatura inglesaSalman Rushdie - Os filhos da meia-noite - Editora Companhia das Letras - 606 páginas - Publicação 2006 - Tradução de Donaldson M. Garschagen.

Salman Rushdie, o premiado escritor britânico, nascido na Índia e ameaçado de morte por uma fatwa iraniana, decretada pelo aiatolá Khomeini em 1989 em decorrência do romance "Os versos satânicos", recebeu em junho passado o título de Cavaleiro do Império Britânico por sua contribuição à literatura. Este fato desencadeou uma série de protestos no mundo muçulmano e ocasionou mais uma vez um antigo debate sobre a liberdade de expressão.

Este romance, publicado originalmente em 1980, ganhou no ano seguinte o conceituado prêmio de literatura em língua inglesa "Booker Prize". Em 1993, este mesmo romance foi premiado com o título "Booker of Bookers Prize", conferido ao melhor livro publicado nos primeiros vinte e cinco anos desta premiação.

A história da Índia moderna, a partir de sua independência em 15 agosto de 1947, é a base do romance de Salman Rushdie que utiliza como fio condutor a troca de dois bebês, um de família hindu e outro de origem muçulmana, nascidos exatamente à meia-noite. Uma das crianças, Salim Sinai, o hindu pobre criado por engano numa rica família muçulmana, é o narrador do romance que, sempre em um clima de fantasia e humor, muitas vezes tragicômico, desfila uma série de histórias entrecruzadas apresentando as várias culturas e etnias que compõem a Índia. No entanto, este resumo de "Os filhos da meia noite " é tão insuficiente quanto dizer que "O novo testamento" trata da vida de Jesus.

A trajetória de Salim Sinai começa, para ser exato, na Caxemira durante a primavera de 1915 quando seu avô, o jovem e recém-diplomado dr. Aadam Aziz, bate com o nariz em um montículo de terra endurecida pela neve durante suas orações, é uma bela passagem e um exemplo representativo da prosa lírica de Salman Rushdie: "Três gotas de sangue saltaram de sua narina esquerda, endureceram instantaneamente no ar gelado e caíram, diante de seus olhos, transformadas em rubis, sobre o tapete de oração. Jogando o corpo para trás, até ficar com a cabeça novamente ereta, ele percebeu que as lágrimas que lhe haviam surgido nos olhos também tinham se solidificado; e naquele momento, enquanto desdenhosamente afastava diamantes dos cílios, ele decidiu que nunca mais voltaria a beijar a terra por nenhum deus ou homem. Essa resolução, criou um buraco dentro dele, um vazio numa câmara vital interna, deixando-o vulnerável às mulheres e à história."

O buraco que a fé deixou no interior de Aadam Aziz é preenchido posteriormente pelo amor à filha de um rico fazendeiro local. Ele é chamado para atender a uma consulta da jovem Nasim, com a condição de que o exame seja realizado através de um lençol com um pequeno círculo furado no centro, para que a pureza da jovem possa ser preservada. E assim, através de repetidas consultas, ao longo de três anos, e também de "uma colagem desconjuntada das partes inspecionadas aos pedaços", diga-se de passagem, cada vez mais detalhadas, ambos acabam se apaixonando e casando.

Esta é a origem da árvore genealógica que culminou, após duas gerações, no nascimento do protagonista trocado Salim Sinai (filho bastardo de um inglês). A união do casal Aziz irá gerar cinco crianças, as filhas Alia, Muntaz e Esmeralda e dois meninos Hanif e Mustafá. A pequena e negra Muntaz, o patinho feio da família, acabará em seu segundo casamento, roubando o namorado da irmã Alia e casando-se com Ahmed Sinai, passando a se chamar Amina Sinai. O casal terá dois filhos, sendo que o primeiro, nosso herói, será trocado na maternidade de Bombaim e posteriormente, sua irmã, a macaca de cobre que se tornará a famosa Jamila Cantora no Paquistão.
Salim Sinai descobre, aos dez anos, que tem o poder da telepatia, assim como, cada uma das 1001 crianças nascidas na Índia, neste mesmo dia, também possuem alguma aptidão extraordinária. Salim conseguirá, por algum tempo, conectar-se telepaticamente com todos os outros filhos da meia-noite. Uma dessas crianças, o terrível Shiva, o bebê trocado, virá reinvindicar seu lugar roubado involuntariamente por Salim Sinai.

No decorrer da trama, a história de Salim Sinai se confunde com vários eventos da Índia contemporânea, como a guerra indo-paquistanesa de1965 e os anos de ferro da primeira ministra Indira Ghandi de 1975 a 1977, como explica o próprio Salman Rushdie na Introdução deste romance: "(...) Então Salim, sempre um batalhador por significados, me sugeriu que toda a história indiana moderna aconteceu como aconteceu só por causa dele; que a história, a vida de sua gêmea-nação, era, de alguma forma, culpa toda dele. Com esta proposta pouco modesta, veio à luz o tom característico do romance, comicamente afirmativo (...)".

Finalmente, chego à conclusão de que é simplesmente impossível escrever um resumo deste romance, tantas são as histórias entrecruzadas, algumas realistas e outras fantásticas. Tantos personagens incrivelmente convincentes e bem delineados que, em última análise comprovam a habilidade do grande escritor que é Salman Rushdie, independente de todas as polêmicas políticas e religiosas que sempre provocou na mídia internacional. É um livro que já deixa saudades e aguarda certamente uma futura releitura.
20 comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Tianjin Binhai Library, a mais nova biblioteca da China

Joël Dicker - A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert

Jesmyn Ward vencedora do National Book Award 2017

As 20 melhores distopias da literatura

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 melhores utopias da literatura