A literatura sou eu e você também

Claude Monet (1840 - 1926) - A Ponte em Argenteuil 1874 - Óleo em Tela
Musée d'Orsay, Paris, França. 

Não tenho muito jeito para textos confessionais, mesmo sabendo que a grande validação dos blogs está justamente no caráter pessoal que provoca a identificação com o leitor. A literatura, de uma forma geral, é tanto mais representativa e verdadeira quanto for a coragem do autor em expor as suas verdades, sejam elas quais forem.

A literatura sou eu
(por Kovacs)

Onde está a literatura
Que os grandes autores procuram
Alguém fala na vida, outro na morte
Quanta bobagem
Se ninguém entende a vida
Que dirá a morte

Me falta a coragem
De encontrar a verdade
Que certamente não é bela
E nem sempre poética
E pode até ser ridícula
Já ensinou o poeta
Que era a própria arte (em Pessoa)

O medo e a vergonha escondem a obra
Que já começa falsa
E não demora logo acaba
Quando se busca nos outros
Sem encontrar
O que está escondido
Em nós

E agora, o que fazer?
Só sabemos mentir
Quem me ensina a ver
Bem longe
Dentro de mim
24 comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 melhores distopias da literatura

Miriam Mambrini - Pássaros Pretos

Os meninos da rua Paulo - Ferenc Molnár

As 20 melhores utopias da literatura

Orhan Pamuk - Uma Sensação Estranha

20 personagens femininas da literatura mundial