O Livro Negro - Orhan Pamuk

LiteraturaOrhan Pamuk - O Livro Negro - Editora Companhia das Letras - 523 páginas - Publicação 2008 - Tradução de Sergio Flaksman com base nas versões inglesa e francesa.

Um romance de estrutura complexa e ao mesmo tempo original onde Orhan Pamuk utiliza temas da cultura oriental para, através de uma narrativa experimental, conseguir ultrapassar os limites da literatura contemporânea mundial. "O Livro Negro" foi lançado na Turquia em 1990, mas só foi traduzido para o inglês em 2006, após os sucessos de "Meu Nome é Vermelho" de 1998 e do romance político "Neve" de 2002 que levaram Pamuk a ser laureado com o Nobel de literatura de 2006. O próprio Orhan Pamuk, por ocasião da última Feira do Livro de Frankfurt, destacou em entrevista à Folha a importância deste livro na sua carreira: "Talvez não seja o mais popular, mas é o mais querido para mim. Na essência, o que eu faço em literatura nasce aí.".

O tema central do livro é baseado em uma trama que pode aparentar uma novela policial, pois trata da procura frenética do jovem advogado Galip pela sua esposa e prima Rüya (cujo nome em turco significa sonho) que desaparece repentinamente após deixar um bilhete de despedida inconclusivo. Ele tem motivos para acreditar que ela tenha um relacionamento amoroso com o famoso jornalista, Celâl Salik, meio-irmão de Rüya e também primo de Galip. Celâl, que se esconde há muitos anos, escrevendo crônicas que são verdadeiros contos, sobre política, estrelas de cinema e gângsteres turcos, histórias familiares, poetas sufis, passando por digressões sobre o hurufismo, uma seita do século XIV que acreditava ser possível encontrar o sentido de nossas vidas em letras codificadas escritas por Alá em nossos rostos.

Os capítulos do "Livro Negro" são intercalados entre a narrativa principal e as crônicas de Celâl Salik, criando uma sensação de labirinto originada por histórias que se desdobram em outras histórias, sempre com uma descrição pormenorizada dos bairros, ruas, mesquitas e lojas de uma Istambul melancólica, habitada por personagens reais ou imaginários, contemporâneos ou históricos. Na verdade, logo descobrimos que este romance não tem nada de literatura policial, mas sim a representação de um grande quebra-cabeças metafísico criado por Pamuk. Galip, ao longo de sua busca pela esposa, acaba desintegrando a sua própria personalidade e transformando-se no próprio Celâl Salik. Este processo lembra muito o conto "Cidade de Vidro" de Paul Auster em "Trilogia de Nova York".

Um dos argumentos mais importantes desenvolvidos por Pamuk e, constantemente citado ao longo do livro, é a dificuldade de sermos nós mesmos: "Existe algum modo de um homem ser apenas quem é?". O próprio Pamuk responde em outro trecho do livro: "(...) o único meio de transformar-se em si mesmo é primeiro ser um outro, ou então perder-se nas histórias contadas por um outro (...)".

"O senhor conhece a história do grande Mevlana sobre a chave? Ontem à noite, por sorte, me veio um sonho sobre o mesmo tema. Tudo à minha volta estava branco, branco como essa neve. E então, de repente, acordei sentindo uma dor terrível, fria, gelada, no meu peito. Parecia que eu tinha uma bola de neve apertando o coração - uma bola de gelo, ou uma bola de cristal -, mas não; era a chave de diamante do grande poeta Rumi Mevlana, pousada no meu peito, em cima do coração. Peguei a chave e levantei da cama, tentando usá-la para abrir a porta do meu quarto, e ela abriu; e me vi num outro quarto onde, na cama, dormia um homem igual a mim, mas que não era eu. Pegando a chave pousada sobre o peito do homem adormecido e deixando a minha em seu lugar, abri a porta do seu quarto: e o quarto seguinte era idêntico, e o outro também, e naquele em que entrei depois vi ainda que havia sombras nesses quartos: outros fantasmas sonâmbulos como eu, todos com uma chave nas mãos. E em cada quarto uma cama, e em cada cama um homem que sonhava como eu! Percebi então que estava no mercado do Paraíso. Mas ali nada era comprado ou vendido, não havia dinheiro nem selos - só rostos e formas humanas. Se você quisesse, podia transformar-se em outra pessoa . Bastava passar o rosto escolhido sobre a face, como uma máscara, para começar uma vida nova. Mas eu sabia que a pessoa em que eu queria me transformar era a que estava no último dos mil e um quartos, mas, quando enfiei a última chave naquela última fechadura, a porta não abriu. Foi então que compreendi: a única chave capaz de abrir aquela porta era a primeira de todas, a chave que eu tinha encontrado em cima do meu peito quando acordara da primeira vez e era fria como o gelo, mas eu não tinha meio de saber onde aquela chave estaria agora ou com quem, qual era o quarto, qual a cama em que eu a deixara e, tomado de um arrependimento terrível, descobri que estava condenado a vagar, como todos os outros infelizes, de quarto em quarto, de porta em porta, trocando uma chave por outra, examinando cuidadosamente cada rosto que encontro mergulhado no sono, para todo o sempre".
32 comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

George Saunders - Man Booker Prize 2017

As 20 melhores distopias da literatura

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

Sinclair Lewis - Não vai acontecer aqui

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

20 personagens femininas da literatura mundial