Patti Smith - Just Kids

Literatura contemporânea norte-americana
Patti Smith - Just Kids - 310 páginas - Editora Ecco / Harper Collins - Lançamento 2010 (publicado no Brasil pela Companhia das Letras em 25/11/2010 como "Só Garotos" - ler aqui um trecho em pdf).

A poeta, cantora, compositora e artista plástica Patti Smith foi premiada com o National Book Award de 2010 por esta sensível autobiografia que mais parece ficção. Ao narrar detalhes do início de sua carreira, desde a chegada em Nova York, no verão de 1967, até o lançamento do aclamado album de estréia, Horses, em 1975, Patti Smith conta sua incomum história de amor platônico com o fotógrafo Robert Mapplethorpe (1946 - 1989) e de como participou em uma das cenas culturais mais intensas do século XX, no início passando fome e dormindo nas ruas de Manhattan e, posteriormente, morando no folclórico hotel Chelsea, relacionando-se com artistas como o poeta beat Allen Ginsberg, astros do rock como Janis Joplin e Jimi Hendrix ou artistas de vanguarda da época, influenciados por Andy Warhol. Um livro inspirador e que desperta a vontade de escrever porque tem, como um dos assuntos principais, o processo criativo do artista e a luta pelo desenvolvimento de um estilo próprio.

Na verdade, Patti Smith, desde muito cedo, demonstrou um interesse genuíno pelos livros e poesia e surpreendentemente não tinha um plano pré-estabelecido de se tornar uma cantora de rock, como acabou ocorrendo nos anos setenta. Ela descobriu o seu espaço seguindo o caminho aberto por Bob Dylan e Lou Reed, precursores da união entre música e poesia, e, gradativamente, foi evoluindo dos recitais de leitura para os concertos de rock. Neste meio tempo ela produziu desenhos, trabalhou como atriz nos teatros alternativos e, é claro, leu e escreveu muitas poesias, sempre com forte influência dos simbolistas franceses.

Esta autobiografia tem, portanto, todos os elementos de um romance de formação, principalmente pelo estilo lírico com a qual a autora conduz a narrativa e que, apesar do clima de sexo, drogas e rock´n roll da época, é de uma simplicidade e sensibilidade raras ao falar da juventude e dos sonhos de uma forma  que somente os clássicos conseguem fazer.
"Eu antes vivia no mundo dos meus livros, a maioria deles escrita no século XIX. Embora estivesse preparada para dormir em bancos, metrôs e cemitérios, até arranjar um emprego, não estava preparada para a fome constante que me consumia. Eu era uma coisinha magricela com um metabolismo acelerado e um grande apetite. O romantismo não conseguia saciar minha necessidade de comida. Até mesmo Baudelaire precisou comer. Suas cartas traziam muitos gritos desesperados de desejo de carne e cerveja."
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura argentina

As 20 melhores distopias da literatura

My Question for Myself

As 20 melhores utopias da literatura

Objeto de Desejo

O Idiota - Fiódor Dostoiévski