Svetlana Aleksiévitch - A guerra não tem rosto de mulher

Literatura russa Nobel
Svetlana Aleksiévitch - A guerra não tem rosto de mulher - Editora Companhia das Letras - 392 páginas - Tradução direta do russo de Cecília Rosas - Lançamento no Brasil: 17/06/2016.

Uma frase famosa, atribuída a George Orwell, nos ensina que: “A história é escrita pelos vencedores”, é verdade, mas também sempre por homens e sobre os homens. Svetlana Aleksiévitch, Prêmio Nobel de Literatura 2015, tentou resgatar o testemunho das vozes femininas, por meio de depoimentos de soldadas soviéticas que lutaram na Segunda Grande Guerra, e não somente como enfermeiras, uma versão mais tradicional da participação feminina em guerras, mas sim atuando na resistência e na frente de batalha,  como franco-atiradoras, pilotando tanques e até mesmo aviões de combate. Estima-se que no Exército Vermelho lutaram aproximadamente 1 milhão de mulheres. Para elas, havia não somente o medo de morrer, mas a angústia de precisar matar e destruir, nada mais contrário à essência de criação da mulher, a própria geradora da vida.

No entanto, durante sete anos, dezenas de viagens e centenas de fitas gravadas, Svetlana Aleksiévitch não escreveu um livro somente sobre a guerra, mas principalmente sobre o comportamento do ser humano na guerra, ela se define como uma "historiadora da alma", perseguindo não "os grandes feitos e o heroísmo, mas aquilo que é pequeno e humano". Ela tentou entender "qual a diferença entre morte e assassinato e onde está a fronteira entre o humano e o desumano. Como uma pessoa fica a sós com essa ideia de que pode matar outra?" Um livro que poderia ser classificado como jornalismo, já que é baseado em entrevistas com as ex-combatentes, mas assim como "Vozes de Tchernóbil" eleva-se à categoria da mais pura e fascinante literatura.
"Certa vez, uma mulher que havia sido piloto recusou-se a se encontrar comigo. Por telefone, explicou: 'Não posso... Não quero lembrar. Passei três anos na guerra... E, nesses três anos, não me senti mulher. Meu organismo perdeu a vida. Eu não menstruava, não tinha quase nenhum desejo feminino. E era bonita... Quando meu futuro marido me pediu em casamento... Isso já em Berlim, ao lado do Reichstag... Ele disse: 'A guerra acabou. Sobrevivemos. Tivemos sorte. Case comigo'. Eu queria chorar. Começar a gritar. Bater nele! Como assim casar? Agora? No meio de tudo isso — casar? No meio da fuligem preta, de tijolos pretos... Olhe para mim... Veja em que estado estou! Primeiro, faça de mim uma mulher: me dê flores, flerte comigo, diga palavras bonitas. Eu quero tanto isso! Esperei tanto! Por pouco não bati nele... Queria bater... Uma de suas bochechas estava queimada, vermelha, e eu vi que ele tinha entendido tudo: desciam lágrimas por essa bochecha. Pelas cicatrizes ainda recentes... E eu mesma não acreditei que estava dizendo: 'Sim, eu me caso com você'". O ser humano é maior que a guerra - Diário do Livro 1979 - 1985 (pág. 16)
Em cada entrevista, a autora notava estar diante de duas pessoas bem diferentes, uma jovem e idealista que existia durante a guerra e outra velha e desiludida que muitas vezes tentava esquecer o passado. A necessidade de esquecer não representava somente uma defesa psicológica contra o sofrimento, mas também uma tentativa de adaptação à vida "normal" uma forma de escapar ao preconceito cruel da sociedade da época que não aceitava que aquelas jovens que passaram por tantos horrores pudessem casar e ter filhos, simplesmente como as outras mulheres. Portanto, no retorno à casa (quando conseguiam retornar) tinham que conviver para sempre com duas realidades. "Dois mundos diferentes, duas vidas diferentes. Depois de aprender a odiar, era preciso aprender a amar de novo. Lembrar dos sentimentos esquecidos. De palavras esquecidas."
"Os combates eram duros. Estive em confrontos corpo a corpo... É um horror... Não é para um ser humano... Batem, enfiam a baioneta, enforcam-se uns aos outros. Os ossos se quebram. Urros, gritos. Gemidos. E aquele estalo! Não dá para esquecer. O estalo dos ossos... A gente escuta o crânio estalando. Rachando... Até para a guerra isso é um pesadelo, não tem nada de humano aí. (...) Logo depois de um ataque, era melhor não olhar para o rosto de ninguém: parecia outro, não era o rosto habitual das pessoas. Não conseguíamos erguer os olhos uns para os outros. Nem para as árvores olhávamos. (...) Voltei da guerra e fiquei bastante doente. Passei muito tempo indo de um hospital a outro, até que fui parar nas mãos de um velho professor. Ele passou a cuidar do meu tratamento... Tratou de mim mais com palavras do que com remédios, me explicou qual era minha doença. Disse que, se eu tivesse ido para o front com dezoito, dezenove anos, meu organismo já estaria fortalecido, mas como fui parar lá com dezesseis — é muito cedo —, fiquei fortemente traumatizada. 'Claro, uma coisa é tomar remédios', ele explicou, 'isso pode curar você, mas se quiser recuperar a saúde, se quiser viver, meu único conselho é: case e tenha muitos filhos. Só isso pode te salvar. A cada filho o organismo vai se restabelecendo.'" Entrevista com Olga Iákovlevna Oméltchenko, enfermeira-instrutora de uma companhia de fuzileiros (págs. 180 - 189)
Como sabemos e constatamos mais uma vez com este grande livro, a realidade pode exceder a ficção mais delirante. É o que sentimos ao ler os depoimentos dessas mulheres e suas histórias de vida e superação, muita dor e sofrimento, mas também esperança de que o ser humano possa um dia aprender que "não pode existir um coração para odiar e outro para amar", o coração deve ser um só.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Tianjin Binhai Library, a mais nova biblioteca da China

Joël Dicker - A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert

Jesmyn Ward vencedora do National Book Award 2017

As 20 melhores distopias da literatura

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 melhores utopias da literatura